[ x ] Fechar

Cuidados na hora de adquirir um ar-condicionado para a praia

  • 18 de fevereiro de 2015
  • 10 Comentários

Não é porque você está na praia que não será preciso um aparelho de ar condicionado. O fato de poder respirar um ar mais fresco na orla e ter a companhia do mar infelizmente não acontecem dentro da casa de praia, onde é necessário um aparelho para manter a temperatura adequada em meio ao calor intenso do verão.

Qual aparelho é melhor?
Sendo assim, os aparelhos mais aconselháveis para instalar na praia são os modelos Janela e Split, tendo o benefício de uma instalação mais simples e barata, além do menor custo do próprio ar-condicionado. O Split ainda abre uma vantagem maior sobre o Janela, pois tem menor custo no consumo de energia e menor ruído, possuindo também o filtro mais eficiente e gerando melhor qualidade do ar.

Compare os preços dos aparelhos Janela aqui e Splits aqui.

Independente do modelo escolhido, o aparelho deve ser instalado em um local alto, pois como será usado no verão, o ar frio tende a descer. Assim, o ambiente será climatizado uniformemente e mais rápido. Outra constatação importante é que, com o forte do calor, os equipamentos tendem a trabalhar mais, portanto é aconselhável priorizar aparelhos com selo procel A, já que trazem economia na conta de energia.

Opção para imóveis de aluguel
Para quem não tem propriedade na praia e vai alugar um imóvel sem climatização, o aparelho portátil é uma ótima alternativa, pois pode ser levado da cidade para a viagem e usado em vários ambientes, sem necessidade de instalação. Porém é necessário fazer uma adaptação, colocando o ar-condicionado portátil em uma peça compatível com a capacidade.

Maresia
Para manter um ar-condicionado funcionando corretamente dentro da residência, algumas práticas são essenciais: assim como o cuidado redobrado para manter os equipamentos eletrônicos conservados devido à maresia, com os aparelhos de ar condicionado não é diferente. Para que as ferrugens não apareçam cedo, é preciso buscar materiais específicos antes de fazer a instalação, como a utilização de tubos de cobre, por exemplo, pois é mais resistente em ambientes salinos em relação ao alumínio.

“Desde o aparelho até os suportes e parafusos devem ser de um material que não oxide. Ou então é preciso uma pintura protetora para retardar o efeito da maresia”, recomenda Ricardo Vaz, diretor técnico da Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Aquecimento e Ventilação (ASBRAV). Vale ressaltar também os equipamentos específicos para o litoral, como a serpentina fabricada com material apropriado.

Outra solução são os protetores externos, que além de melhorar esteticamente as instalações, aumentam a vida útil dos aparelhos e impedem o avanço da corrosão.

Manutenção
Também é importante fazer a manutenção constante do aparelho, já que muitas vezes ele é usado apenas durante o período de verão. Para isso, deve-se limpar o filtro a cada 30 dias, retirando ele do aparelho e passando água corrente, e a troca do filtro dos sistemas de grande porte deve ocorrer a cada 90 dias. Depois de 3 ou 4 anos, é possível fazer uma limpeza interna, que é melhor quando o ar é retirado, limpo em oficinas e instalado de novo.

A prática dessas ações irá prolongar a vida útil do ar-condicionado e evitar os efeitos da corrosão.

Se você está buscando por um aparelho de ar condicionado, sugerimos ver a página com pesquisa de preços em mais de 50 lojas.

Redação do Portal WebArCondicionado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 Ideias sobre "Cuidados na hora de adquirir um ar-condicionado para a praia"

  • Olá!
    Meu ar condicionado foi adquirido de segunda mão (já era de um primeiro dono ), há 2 anos atrás o instalei numa parede que fica para o poente. Esta parede esquenta bastante e o ar condicionado está bem oxidado. Ouvi falar sobre riscos de incêndio. Ainda não fiz manutenção, pretendo levar em breve. Quais os riscos de está a usar este aparelho oxidado? A exposição excessiva a quentura do traz riscos para acidentes?
    Grata.

    • Olá Poliana,

      nunca ouvimos casos de acidentes por oxidação ou por calor do sol. Mas você pode compartilhar sua dúvida no Fórum, para que profissionais do setor possam dar opiniões sobre esse assunto. Acesse aqui.

      Obrigado pelo contato.

  • Moro em Aracaju de frente pra o mar, infelizmente, não sei mais o que fazer, pois os ar condicionados não duram nunca 18 meses, portanto a cada ano e meio tenho que comprar uma split de 18000 btus.
    Vocês podem me sugerir algum tipo de split que seja mais resistente a maresia e que possa portanto ter uma durabilidade que seja ao menos razoável? Espero ansioso por uma resposta com uma sugestão.
    Att.,
    Lealdo Feitosa.

    • Olá Lealdo,

      aconselhamos aparelhos que tenham a estrutura de plástico, ainda são poucos que fabricam, mas é o mais indicado. Além disso, a serpentina mais indicada para a praia é a de cobre. Veja aqui.

      Obrigado pelo contato.

  • Boa Tarde.
    Moro na praia e estou pensando em instalar um ar condicionado.
    Ouvi falar sobre o ar condicionado Inverte que possui uma grande economia e silêncio, mas, escutei comentários que para o litoral não seria recomendado por conta de seus sensores que seria sensível a maresia…. isso é verdade ???
    Devo colocar ou não ???

    Aguardo
    Grato

  • Bom dia, só para constar a informação de que o alumínio é mais resistente que o cobre não confere, moro na praia e o cobre é muito mais resistente de que o alumínio, haja vista os inúmeros casos de vazamentos em instalações com alumínio, ainda não vi nenhuma instalação feita com alumínio durar mais de 1 ano aqui na praia. gosto muito das publicações de vocês, por isso achei melhor dar um toque sobre esta informação.

    • Olá Fernando.

      Muito legal você acompanhar nosso portal e ficamos muito contentes com sua contribuição. O que ocorre é o seguinte, as instalações com cobre, são as preferidas dos profissionais, como você deve saber. O que citamos, é a diferença específica na maresia, quanto a oxidação dos materiais. Confira esta postagem, por favor.

      Obrigado pelo contato e continue contribuindo conosco. A troca de informações só fortalece o setor.

      • Boa tarde, senhores,

        Sou engenheiro mecânico, e posso explicar a questão. Ambos os materiais, tanto o cobre quanto o alumínio, tendem a formar uma camada de passivação (no cobre, ele fica esverdeado, no alumínio essa camada é transparente para esbranquiçada). A diferença é que geralmente a camada passiva do alumínio é muito mais aderida ao metal, que o cobre, então geralmente o alumínio é mais resistente à corrosão, principalmente por poluentes.

        A questão da maresia é que é o problema. O alumínio é extremamente susceptível à corrosão acentuada (a camada passiva simplesmente não funciona) na presença de cloretos (sal, principalmente, no caso da maresia, mas água sanitária também). Pode-se ver esse efeito nos perfis de alumínio de janelas, nas construções de frente para o mar, eles formam incrustações brancas. Isso é óxido de alumínio, descamando na presença de cloretos.

        Alumínio -> Mais resistente à corrosão em geral, chuva ácida, poluição, etc;
        Cobre -> Mais resistente à corrosão na presença de cloretos (maresia direta);

        Em minha opinião, portanto, a informação do artigo está invertida.