Os fluidos refrigerantes (gases) mais utilizados no setor de refrigeração e ar condicionado (CFCs e HCFCS) são extremamente prejudiciais ao meio ambiente se liberados diretamente ao ar livre. Estima-se que uma parte significativa de gases liberados na atmosfera seja procedente de vazamentos em sistemas de ar condicionado e refrigeração. Ao realizar a manutenção muito técnicos acabam abrindo as válvulas do sistema e soltando o gás na atmosfera. Por essa razão, esses profissionais devem sempre fazer uma boa instalação e manutenção e conhecer as técnicas de recolhimento e reutilização desses fluidos (gases).

Para evitar o despejo demasiado desses fluidos ao ar livre, o governo brasileiro vem adotando uma série de medidas voltadas para a eliminação gradativa do consumo desses gases, estimulando a capacitação de técnicos e a reciclagem dos fluidos. Essas medidas fazem parte do Plano Nacional de Eliminação de CFCs – PNC- e do Programa Brasileiro de Eliminação de HCFCs – PBH.

Plano Nacional de Eliminação de CFCs – PNC

Os CFCs (clorofluorcarbonos) são extremamente prejudiciais à camada de ozônio, a qual tem a importante função de proteger a Terra da incidência direta dos raios ultravioleta, nocivos ao meio ambiente e à saúde humana. Leia: Dia Internacional de Preservação da Camada de Ozônio.

Em 2010, o Brasil conseguiu cumprir o compromisso de eliminação dos CFCs. Desde então a produção e importação dos CFCs é zero no país.

Centros de Regeneração

Os Centros de Regeneração são pontos de coleta, reciclagem e venda de CFCs, e foram criados em cumprimento às determinações do PNC. As empresas que têm interesse em se tornar pontos de recolhimento e regeneração devem fazer solicitação de equipamentos junto ao Ministério do Meio Ambiente (MMA) e precisam de licença ambiental. Os Centros estão aptos a tratar dos fluidos R-12, R-22, R-134a, mistura (blends) de CFCs e HCFCs.

Etapas da reciclagem

Recolhimento

O fluido refrigerante é recolhido através de máquinas e bolsas recolhedoras ao invés de ser eliminado ao ar livre, prejudicando o meio ambiente.
– Recolhimento Passivo: indicado para pequenas quantidades de fluidos. É realizado por meio da diferença de pressão entre o aparelhos e o equipamento de armazenagem do fluido.
– Recolhimento Ativo: indicado para aparelhos com grande carga de refrigerante. Esse método utiliza um equipamento externo que força a sucção do fluido do aparelho e o comprime (fase gasosa) em um cilindro pressurizado. Esse método garante 99% de eficiência.

Regeneração/Reciclagem

Após o recolhimento, os gases devem ser encaminhados para um Centro regional de regeneração, onde serão retiradas as impurezas do gás, como partículas, óleo, umidades e gases não condensáveis. No processo de regeneração o fluido contaminado é tratado em equipamento com capacidade para filtrar partículas, retirar umidade e acidez, separar gases não condensáveis e óleo. Em casos de fluidos misturados não é possível fazer a reciclagem.

Ainda existem equipamentos em uso que utilizam CFCs, como geladeiras e aparelhos de ar condicionado antigos. Por isso é tão importante o reaproveitamento desses gases refrigerantes. O recolhimento ajuda a diminuir vazamentos de fluidos refrigerantes durante a manutenção de equipamentos. Posteriormente o fluido recolhido vai poder ser reutilizado, diminuindo a demanda por fluidos novos.

Reuso

Depois de regenerado, o gás poderá ser novamente utlilizado.Para receber a titulação de “regenerado”, o fluido refrigerante precisa passar por teste laboratorial para atingir um nível de pureza de 99,8%, mesmo nível de um fluido novinho em folha. Além de diminuir os impactos ambientais, após a regeneração o CFC poderá ser vendido por um valor 20% mais barato.

HCFCs – Programa Brasileiro de Eliminação de HCFCs

Em resumo, o PBH é a complementação do PNC. Se antes, com o PNC, a preocupação era com a camada de ozônio, agora a preocupação também abrange o aquecimento global e, nesse aspecto, os HCFCs são grandes catalizadores desse fenômeno. Ou seja, ainda não existe no mercado um fluido refrigerante 100% limpo, que cause zero de danos ao meio ambiente.

Todos os países signatários do Protocolo de Montreal, incluindo o Brasil, comprometeram-se a cumprir um novo cronograma de eliminação dos HCFCs, que deve ser extinto até 2040.

Dados importantes:
– Atualmente, o Brasil consome 1,3 mil toneladas de HCFCs por ano.
– 44,7% do consumo de HCFCs no setor de Serviços destina-se à manutenção de equipamentos de ar condicionado e 51,5% para equipamentos de refrigeração.
Fonte: PBH (acesse o documento na íntegra, em PDF).

Existem outras razões sérias que provocam o alto índice de consumo de gases refrigerantes pelo setor de serviços, entre elas:
– má qualidade técnica e baixo padrão das práticas de manutenção e de conserto.
– falta de ferramentas adequadas para serviços de manutenção e conserto.
– baixa qualidade das instalações e ausência de manutenção preventiva e/ou regular.

Redação do Portal WebArCondicionado.