Takeshi Sugiyama havia se tornado CEO há três anos e sai da Mitsubishi depois de 40 anos

CEO da Mitsubishi

Equipamentos com dados fraudados não representam risco para os clientes.

O CEO da Mitsubishi Electric Takeshi Sugiyama anunciou que vai deixar o cargo para assumir a responsabilidade por três décadas de fraudes sistemáticas. Neste período a empresa japonesa falsificou dados de inspeção de peças de ar-condicionado e compressores de freio usados em trens.

Em coletiva realizada na última sexta-feira, 2 de julho, ele disse estar chocado com a situação. “Quero expressar minhas sinceras desculpas. Chegamos à conclusão de que devo renunciar ao cargo de presidente e que devemos trabalhar duro sob nova liderança para recuperar a confiança”, afirma Sugiyama. A empresa promete nomear um sucessor este mês.

Equipamentos com dados falsificados não são risco à segurança

Na última assembleia anual com acionistas, realizada em 29 de junho, a administração da Mitsubishi sabia do problema dos dados. Mesmo assim, decidiu divulgar apenas no dia 30.

A empresa japonesa afirma que após inspecionar os dados falsificados, constatou que não representam risco para a segurança das pessoas. Outro ponto levantado pela Mitsubishi é que não infringiu nenhuma lei, o que acontece é a quebra ade contratos com os clientes.

Conforme o ministro da Economia e Comércio do Japão, Hiroshi Kajiyam, o problema pode prejudicar a confiança nos produtos manufaturados do país.

Manipulação de dados desde 1985

Até o momento, sabe-se que o primeiro relatório com dados alterados foi realizado em 1985. A empresa promete divulgar um levantamento completo em setembro, com medidas para enfrentar o problema.

Nos 35 anos em que falsificou dados de inspeção, a Mitsubishi forneceu 84,6 mil unidades de ar- condicionado para 80 empresas ferroviárias e despachou 1,5 mil compressores para 20 empresas do Japão.

Redação WebArCondicionado – Com informações da Reuters