O amadurecimento de frutas depende de sistemas capazes de manter a qualidade e entrega um produto saudável ao consumidor

ar-condicionado e ventilação de frutas

Os frutos são divididos entre climatéricos e não climatéricos. Em uma explicação básica, os climatéricos são aqueles que mantém o amadurecimento após colhidos. São o tomate, a banana, a pera, a maracujá, o pêssego, a maçã, o abacate, o mamão, entre outros.

Já os não climatéricos são aqueles que amadurecem na planta e apresentam baixas quantidades de etileno. Os principais exemplos são o limão, o romã, a laranja, a melancia, o abacaxi, entre outros.

Diante disso, o amadurecimento se torna essencial na comercialização de frutas climatéricas. Porém, deve-se manter a qualidade e ocorrer na medida certa para quando chegar no consumidor.

Até mesmo o maior acesso a frutas “exóticas” não produzidas localmente se tornou possível. Isso acontece pelo desenvolvimento dos meios de transporte, da cadeia de frio e das modernas instalações de amadurecimento de frutas com ar-condicionado e ventilação.

Uma das incógnitas do amadurecimento é o que acontece com a fruta antes de chegar à câmera fria ou ao ambiente ventilado. A gestão profissional deve harmonizar os parâmetros climáticos, os sensores, os sistemas de ventilação e a velocidade do ar, com todos operando juntos.

A expectativa é o atual modelo de negócios evoluir radicalmente para operações muito mais eficientes, que funcionarão com automação, monitoramento remoto e autorregulação. Com toda a estrutura funcionando, vai melhor a experiência do cliente, pois as frutas ficarão no ponto de maturação perfeito.

Estruturas climatizadas para o amadurecimento de frutas

Anualmente em todo o mundo, o amadurecimento das frutas consome dezenas de bilhões de kWh. Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o manuseio errado e o transporte inadequado, somado a falta de estrutura e as falhas na cadeia do frio, são responsáveis pela maior parte dos desperdícios de alimentos no Brasil.

O amadurecimento correto está ligado as boas práticas de manuseio, mas também a temperatura e a umidade. Quando o local de armazenamento ou deslocamento dos produtos é resfriado, a ação química de etileno é mais lenta. Isso resultando em um processo mais devagar e, por esse motivo, as frutas duram mais tempo.

Usar ar-condicionado e ventilação nos locais permite um ambiente resfriado ou com temperatura agradável, o que faz bem as frutas. Porém, o cuidado fica por conta da umidade do ar que deve ser controlada.

Falando em ar-condicionado e ventilação, na hora de realizar o dimensionamento do local e a identificação da potência em BTU, vale ressaltar que as frutas e as hortaliças produzem carga térmica que é dissipada pelo sistema. Assim, esses alimentos devem entrar no cálculo do profissional que instalará o sistema de climatização.

Redação WebArCondicionado