Atualizado em 29/07/2019 por Yuri Correa
Redação do Portal WebArCondicionado

A palestra de Bjarne Olesen mostrou, na noite de 23 de outubro de 2014, caminhos para desenvolver melhores condições no ambiente interior. Olesen é vice-presidente da Sociedade Americana de Engenheiros de Aquecimento, Refrigeração e Ar Condicionado (ASHRAE) e membro honorário da Associação Italiana de HVAC (AICARR), e sua fala aconteceu na sede da Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Aquecimento e Ventilação (ASBRAV), onde apresentou as vantagens resultadas do investimento ne setor de climatização e refrigeração.

Benefícios da qualidade de ar interior

O encontro ministrado por Olesen mostrou que o tratamento adequado do ar em ambientes fechados traz resultados positivos não apenas para o conforto e bem-estar dos usuários, mas também reflete diretamente no bolso de cada um. Além disso, segundo o vice-presidente da ASHRAE, ganhos de produtividade também podem ser atingidos no ambiente de trabalho.

“Com uma simples troca de um filtro, por exemplo, conseguiu-se perceber uma redução de até 9% no índice de conversa no ambiente de trabalho pela maior concentração de quem está trabalhando”, exemplificou Olesen. Ele, claro, não está levando em conta os ambientes de trabalho em que a conversa não só é incentivada, como também necessária para o bem estar dos seus ocupantes.

Saúde e economia do ar

Mais importante do que diminuir a conversa, que muitas vezes é saudável ao ambiente de trabalho, os estudos abordados consideram dois fatores conhecidos internacionalmente como Indoor Air Quality (IAQ) e IEQ (Indoor Environmental Quality). Em relação à saúde e consequentemente à economia, a redução de doenças respiratórias em um ano, por exemplo, pode representar até 37 milhões de casos a menos de gripe comum ou do tipo Influenza A, o que proporciona uma economia de 21 bilhões de euros.

Outro índice mostra que a redução de 25% de casos de alergia ou asma representa 6 bilhões de euros gastos a menos no tratamento das doenças. Os dados são da American Society of Heating, Refrigerating and Air Conditioning Engineers (ASHRAE). Além disso, doenças respiratórias são altamente debilitantes, impedindo as pessoas não só de conseguir trabalhar direito, mas de fazer qualquer outra coisa direito.

O conforto térmico foi outro fator considerado relevante. Através dos gráficos apresentados chegou-se à conclusão de que a partir do momento em que a temperatura é elevada ou reduzida demais, há uma perda de rendimento do trabalhador, por causa do desconforto, que por si só é um problema, independente de resultados no escritório. Olesen defende que a condição ideal está localizada entre 20 e 25 graus Celsius.

Contaminação x climatização

O especialista em qualidade do ar interior para a otimização no trabalho, mostrou também dados de uma pesquisa realizada com 11 mil crianças, fazendo uma analogia entre a contaminação dos ambientes e a falta de ventilação nesses locais. As origens dos fatores contaminantes são variadas, podendo ser do ar exterior ou até mesmo do ambiente interno através de alimentos e produtos consumidos pelos ocupantes.

O evento teve coordenação da ASBRAV e contou também com a participação do presidente da ABRAVA, Wadi Tadeu Neaime, apresentando os dados econômicos do setor.

Preze pela sua qualidade de ar interior e pela sua saúde, seja no trabalho ou em qualquer outro lugar. O importante é estar bem.