Redação WebArCondicionado

A data é um marco das conquistas e também da luta das mulheres por igualdade

Oficializada pela ONU em 1975, a data já era celebrada no início do Século XX e surgiu para celebrar as primeiras conquistas dos direitos trabalhistas femininos. O primeiro Dia Nacional da Mulher foi celebrado em maio de 1908 nos Estados Unidos, quando cerca de 1500 mulheres aderiram a uma manifestação em prol da igualdade no país.

O Dia da Mulher no Brasil

Em nosso país, a luta feminina ganhou força nas décadas de 1920 e 30. As mulheres conseguiram o direito ao voto em 1932, na Constituição promulgada por Getúlio Vargas.

Mas foi só a partir dos anos 1970 que surgiram organizações em prol da luta pela igualdade entre os gêneros, pela sexualidade e pela saúde da mulher. Quinze anos depois, mais uma conquista, a criação da primeira Delegacia Especializada da Mulher.

Um divisor de águas para a sociedade brasileira surgiria em agosto de 2006 com a sanção da Lei Maria da Penha, um grande marco em relação ao tratamento dado à violência doméstica e contra a mulher, reconhecida pela ONU como uma das três melhores legislações do mundo no enfrentamento deste tipo de violência.

A mulher no Mercado de Trabalho

No Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre a década de 1940 e 1990, as mulheres passaram de 2,8 milhões para ocupar 22,8 milhões de postos de trabalho.

Representação feminina na indústria de ar-condicionado e refrigeração

Não causa espanto que a grande maioria dos trabalhadores do setor são homens e no Brasil, infelizmente, não existe nenhuma pesquisa focada em levantar os números da participação feminina na área.

Para se ter uma ideia, nos Estados Unidos as mulheres na indústria de ar-condicionado e refrigeração não chegam a representar nem 2% da mão de obra.

Porém, observa-se sim o crescimento nas mulheres no setor, tornando-se instaladoras, projetistas ou assumindo papéis de liderança.

A Luta continua

A paridade de gêneros ainda parece um pouco distante. Segundo as estatísticas, mulheres ainda ganham menos que os homens, são minoria nos postos políticos e ainda sofrem com os elevados números em relação a violência doméstica.