Redação Portal WebArCondicionado

Com uma população de 5,6 milhões de pessoas em franca expansão e uma área terrestre pequena, as autoridades de Singapura estão pensando em como usar melhor o espaço subterrâneo do país.

Autoridades querem colocar diversos serviços subterrâneos

De acordo com um plano de desenvolvimento lançado em março, as autoridades de Singapura querem colocar no subsolo serviços públicos, transporte e instalações industriais e de armazenamento, a fim de liberar terra na superfície. No entanto, ainda não há planos de colocar as moradias no subsolo.

Ainda assim, a construção subterrânea em Singapura apresenta desafios. A construção é difícil sob um ambiente já urbanizado, enquanto novos projetos competem por espaço com as instalações subterrâneas existentes.

“A construção subterrânea normalmente envolve a explosão de rochas e, se estiver no centro da cidade, você não poderá usá-la”, disse Chu Jian, professor de engenharia civil e ambiental da Universidade Tecnológica de Nanyang (NTU).

Leia também: Ar-Condicionado Chiller: O que é e Como Funciona esse Sistema?

O maior sistema de refrigeração subterrânea do mundo está em funcionamento

Em Singapura as temperaturas sobem regularmente acima de 32 graus célsius, mas dentro das crescentes estufas de vidro de Gardens by the Bay, o premiado parque botânico do país, são 24 graus agradáveis. Tudo isso, graças a um ar-condicionado gigante, o maior sistema de refrigeração subterrânea do mundo.

A ascensão do resfriamento global levou a pesquisa e o desenvolvimento de maneiras de tornar os sistemas mais eficientes usando bombas de calor, energia solar, refrigeradores evaporativos e outras tecnologias. Um dos mais eficazes foi construir um sistema que utilize uma grande planta central que possa resfriar vários espaços.

Então, o ambiciosos projeto subterrâneo de climatização de Singapura é um sistema que bombeia água gelada através de canos para resfriar edifícios em torno do popular distrito de Marina Bay.

A Singapore District Cooling, unidade do Grupo SP que administra o sistema de Marina Bay, disse que, ao centralizar as plantas de refrigeração, foi economizado 40% da eletricidade dos aparelhos de ar condicionado tradicionais. A diminuição no consumo de energia permitiu a redução de emissões anuais de dióxido de carbono em 34.500 toneladas, o que equivale a tirar 10.000 carros das ruas.

“À medida que o mundo esquenta, o ar-condicionado e a refrigeração são cada vez mais necessários, consumindo energia e emitindo gases de efeito estufa. Este é o ciclo de feedback que precisamos urgentemente quebrar”, disse Vinod Thomas, professor visitante da Escola de Políticas Públicas Lee Kuan Yew, em Singapura.

Ao todo, cerca de duas dúzias de edifícios ao redor do distrito financeiro de Marina Bay evitam o calor, graças a cinco quilômetros de canos que correm cinco andares abaixo do solo.

No centro, existem duas plantas que gelam a água a 4,5 graus célsius. Para garantir que a temperatura seja consistente, são geradas bolhas para agitar a água, que é entregue aos prédios através de tubos subterrâneos isolados para resfriar o ar que circula por cada torre. A água, agora a 13 ° C, é bombeada de volta para o resfriador e o ciclo se repete. O calor do processo é liberado no ar externo através de uma grande torre de resfriamento acima do solo.

Encontre aqui os aparelhos Split mais baratos do mercado

Dados e projeções sobre o consumo de energia no mundo

Nas últimas duas décadas, o uso do ar-condicionado explodiu, liderado pela China, onde a demanda de energia por refrigeração do espaço cresceu a uma média de 13% ao ano. Isso representa um aumento de mais do que o total de eletricidade usada pelo Reino Unido. Em dias muito quentes, até 50% da demanda de eletricidade da China é usada para alimentar o ar-condicionado.

Os níveis de renda estão subindo na Ásia, África e América do Sul, e um dos primeiros símbolos de status para famílias em países quentes que ingressam na classe média é o ar-condicionado. Estima-se que 10 novas unidades de ar condicionado serão vendidas em todo o mundo a cada segundo a partir de agora até 2050. Até então, cerca de dois terços das famílias do mundo poderiam ter ar-condicionado, com China, Índia e Indonésia representando metade do total.

Isso significa que uma drenagem maciça de energia – mais de um terço da eletricidade do mundo pode acabar sendo usada para resfriar edifícios e veículos – com um salto equivalente nas emissões de carbono se, como é o caso agora, a maior parte dessa capacidade de geração extra depender de combustíveis fósseis.

Singapura aqueceu duas vezes mais rapidamente que a média mundial nas últimas seis décadas, com temperaturas subindo cerca de 0,25 ° C por década, em parte devido à remoção de florestas e vegetação à medida que a cidade se expandia. Ela teve sua década mais quente já registrada e, se as emissões globais de carbono continuarem aumentando à taxa atual, as temperaturas diárias poderão passar para 35°C a 37°C até 2100.

Veja aqui de forma gratuita os melhores orçamentos para sua necessidade em ar-condicionado

Comente abaixo o que achou desse conteúdo. Queremos saber sua opinião. Até a próxima!