Competidores usam desde gelo até ar-condicionado móvel para diminuir o impacto das altas temperas no desempenho

Calor nas Olimpíadas de Tóquio

Veja como os atletas driblam o calor nas Olimpíadas de Tóquio./Imagem: Michael Kappeler/Getty Images

Nas Olimpíada de Tóquio, os esportistas têm um novo oponente na busca pelo pódio: o alto calor. Em 24 de julho, primeiro dia com várias modalidades acontecendo, diversos atletas precisaram encontrar alternativas para diminuir o impacto das altas temperaturas na capital do Japão.

De acordo com matéria do Globo Esporte, a tenista alemã Anna-Lenna Friedsam precisou usar gelo na cabeça durante a partida. Outro tenista, o russo Daniil Medvedev utilizou gelos em cubo numa toalha e colocou no pescoço, além do ar-condicionado móvel que fica no entorno da quadra.

Algumas delegações, como a brasileira e a estadunidense, usam outras ferramentas para diminuir o impacto do calor no desempenho dos atletas nas Olimpíadas de Tóquio. O uniforme da equipe dos Estados Unidos tem um ar-condicionado embutido no casaco. Já a delegação do Brasil recebeu um “kit refrigeração” para diminuir e aliviar o calor pelas altas temperaturas.

Kit do Brasil é formado por coletes e colares de refrigeração

O Comitê Olímpico do Brasil entregou aos atletas “kit refrigeração” para enfrentar as altas temperaturas em Tóquio. Para se ter uma ideia, entre 20 e 22 de julho, conforme o Globo Esporte, as temperaturas máximas ficaram nos 34°C e a sensação térmica perto dos 40°C.

O material distribuído aos representantes brasileiros é formado por um colete, um colar e um chapéu, que comportam pedras de gelo e reduzem a temperatura corporal. Assim, a área médica do COB oferece aos esportistas uma alternativa para aliviar a sensação de calor.

Em entrevista ao Globo Esporte, a coordenadora médica do COB Ana Carolina Côrte explicou que os coletes infláveis ajudam na estratégia de resfriar o corpo depois de treinos ou de competições, melhorando a performance do atleta.

As 50 unidades do “kit refrigeração” serão usadas em revezamento pelos atletas. Após ser utilizada, o competidor entrega à equipe médica do COB, que vai higienizar e deixar pronta para outro esportista.

Uniforme olímpico com ar-condicionado

Calor nas Olimpíadas de Tóquio

Casaco foi usado pela delegação dos Estados na Abertura das Olimpíadas de Tóquio.

Produzidos pela empresa de moda norte-americana Ralph Lauren, os casacos utilizados pela equipe dos EUA nos Jogos Olímpicos de 2020 tem ar-condicionado embutido. As jaquetas têm um dispositivo alimentado por bateria inserido atrás da peça de roupa.

O uniforme da cerimônia de abertura da equipe dos EUA, na quarta-feira, possui a tecnologia “RL Cooling“. As jaquetas tem um dispositivo de resfriamento de temperatura auto regulável para amenizar o calor nas Olimpíadas de Tóquio, que promete ser o jogo mais quente da história.

“Por meio dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos, Ralph Lauren celebra o espírito pioneiro e a tradição, ao mesmo tempo que abraça a modernidade e a inovação. É com esse espírito que abordamos o desenvolvimento da tecnologia RL COOLING”, explica David Lauren, filho de Ralph Lauren e estilista da marca.

Bateria garante o ar frio das jaquetas climatizadas

Segundo a Ralph Lauren, o aparelho monitora e otimiza a temperatura, ativando o sistema quando o usuário está superaquecido, criando a “sensação de resfriamento”. O dispositivo fica arás da jaqueta, soprando no pescoço do atleta ar frio, o que é parecido com o resfriamento dos computadores.

A Ralph Lauren começou a explorar a tecnologia nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018, em PyeongChang, quando os atletas usaram jaquetas aquecidas. As peças foram utilizadas na abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio e prometem voltar a cena no encerramento.

A Marca também venderá os produtos em suas lojas online e física.

Redação WebArCondicionado – Com informações do Globo Esporte