Redação WebArCondicionado com informações do site Inovação Tecnológica

Algumas universidades brasileiras vem estudando novas maneiras de atender as necessidades de ar-condicionado nas regiões litorâneas do país. O professor Dorel Soares Ramos, da USP (Universidade de São Paulo), lidera uma equipe de estudos que busca métodos alternativos com baixo consumo energético no resfriamento com ar-condicionado utilizando água fria do fundo do mar.

Esse conceito envolve bombear água de regiões mais profundas do oceano, onde as temperaturas variam entre 3 ºC a 5 ºC, e direcioná-la até usinas na costa, onde é utilizada para trocar calor com um sistema de resfriamento regional, devolvendo a água mais quente para o oceano.

Cálculos sobre o consumo energético desse método mostram que 1 m3 da água gelada do fundo do mar utilizada na usina de ar-condicionado pode economizar o equivalente ao resfriamento gerado pelo uso da energia gerada por 21 turbinas eólicas ou uma usina solar do tamanho de 68 campos de futebol.

Apesar desse ser um método eficaz e mais sustentável, ele apresenta alguns desafios como o alto investimento inicial para instalação das usinas de resfriamento e o impacto do retorno da água do mar aquecida nos ecossistemas marítimos.