Corpo humano possui filtro natural, mas processo fica ameaçado em ambientes com quantidades amplas de micropartículas
filtragem melhora qualidade do ar interno

Filtragem melhora qualidade do ar interno, pontos defendidos por representantes da ASBRAV, no IV Fórum bauKultur./Imagem: Reprodução

Com a pandemia da Covid-19, ganhou força a necessidade de cuidados com a qualidade do ar interno e o perigo de partículas, sejam de vírus ou de bactérias, em ambientes fechados e sem ventilação. Um ambiente com ar interior saudável depende da filtragem capaz de impedir que os poluentes cheguem até as pessoas daquele local.

A filtragem melhora a qualidade do ar interno e protege o sistema respiratório, que tem ferramentas para expelir ameaças, mas pode ser danificado com quantidades amplas de micropartículas. Dois representantes da ASBRAV participaram IV Fórum bauKultur que debateu a qualidade do ar interno, convidados pela AHK-RS – Câmara Brasil-Alemanha no Rio Grande do Sul.

Um dos participantes foi Mário Alexandre Möller Ferreira – vice-presidente da ASBRAV (Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar-Condicionado, Aquecimento e Ventilação).

“O corpo humano é capaz de filtrar micropartículas até um certo tamanho. A partir de 2,5 micrômetros, elas conseguem invadir os pulmões e levar perigo à saúde. As doenças, aliás, não se limitam as respiratórias e podem também afetar o coração”, explica Möller.

Conforme Möller, o cuidado com o ar interno é fundamental e deve ser diário, pois são os locais em que ficamos a maior parte do tempo. “Pesquisas indicam que 90% do tempo estamos em ambientes internos, sujeitos a nos contaminar com partículas, bactérias, por exemplo”, pontua ele.

Ele afirma que a baixa qualidade do ar acontece pela grande densidade humana. “Muitas pessoas concentradas no mesmo ambiente piora o ar. Por exemplo, em aglomerações”, acrescenta o vice-presidente da ASBRAV.

O outro representante da associação foi Eduardo Gus Brofman – presidente do Conselho Deliberativo da ASBRAV. Ele explica que aumentar a renovação do ar, a desinfecção e os sistemas de exaustão, devem ocorrer aliado as ações de controle, mediação e manutenção.

“A filtragem tem impacto direto no consumo de energia da ventilação com o sistema de ar condicionado. A renovação de ar traz impacto no consumo com a refrigeração”, complementa Brofman.

Com informações da ASBRAV