Prática ganha cada vez mais adeptos nos Estados Unidos

Curso de ar-condicionado realidade virtual

Conheça empresas que usam realidade virtual em cursos de ar-condicionado.

O avanço da tecnologia traz inovações nas mais diversas áreas, mas você já pensou em um curso de ar-condicionado por realidade virtual? A novidade faz sucesso nos Estados Unidos e cria um novo mercado de formação.

Conforme Jeff Smith, instrutor do programa do North Arkansas College, a oportunidade usa uma tecnologia emergente: “A realidade virtual complementa o que aprenderam no laboratório e na sala de aula”, explica o profissional.

Com a realidade virtual no curso, é possível praticar de instalação até troca de peças dos aparelhos de ar-condicionado. O trabalho prático concluído no espaço ajuda os alunos a ganhar conhecimento e experiência.

Novos conteúdos foram colocados no curso por realidade virtual

Curso de ar-condicionado realidade virtual

Treinamento para profissionais da empresa TD Industries.

O CEO da Interplay Learning, empresa com sucesso na criação do método virtual, Doug Donovan, afirma que foram adicionados novos assuntos no treinamento em 2020. “Incluímos mais conteúdo de multímetro, de material HVAC de nível de básico e de tubulações”, contextualiza ele.

A gerente de produção da Cengage Vanessa Myers, outra empresa que trabalha com curso de ar-condicionado com realidade Virtual, relata que desenvolveu novos suportes para instrutores de HVAC, que ensinam remotamente pela primeira vez

“Instrutores e escolas tem vantagens em apresentar a teoria e o trabalho pré-laboratório online, usando o tempo no campus para atividades práticas”, complementa ela.

O treinamento online e o aprendizado híbrido estão em alta nos últimos anos. Tal como acontece com certas tendências fora do HVAC, a pandemia acelerou o crescimento. E, como acontece com algumas tendências, curso de ar-condicionado com realidade virtual irão se manter.

“Tivemos um aumento notável nas vendas de 300% em relação ao ano anterior”, contextualiza Donovan. Conforme ele, as empresas precisam resolver as próprias lacunas de habilidade e usar a Interplay para treinar as aptidões.

Myers da Cengage não vê as simulações de laboratório como completamente equivalentes à vida real. “Permite aos alunos errar num ambiente seguro, sem desgaste do equipamento e que visualizem a teoria na prática”, completa ela.

Redação WebArCondicionado