Redação Portal WebArCondicionado com informações do Correio Braziliense.

Um incêndio atingiu o Hospital Santa Luzia, em Brasília (DF), no dia 29 de agosto e investigações preliminares indicam que tudo começou em um dos aparelhos de ar-condicionado do edifício. Um laudo pericial, que ficará pronto em 30 dias úteis, irá confirmar a causa.

 

 

Independente da origem, o incêndio reforça a importância dos cuidados com a manutenção do ar-condicionado em hospitais e clínicas. Por conta da complexidade do sistema, é muito importante instalar e manter os aparelhos funcionando em boas condições nesses lugares.

Confira dicas de instalação e manutenção de ar-condicionado

Como manter o ar puro dentro do hospital?

A qualidade do ar, por exemplo, deve ser monitorada constantemente, pois a umidade dentro do ambiente hospitalar deve se manter entre 40 e 60%, já que índices abaixo de 30% e acima de 70% favorecem a proliferação de vírus e bactérias.

Há outros diversos fatores que devem ser observados para a preservação de um ar de qualidade nos hospitais, como a colocação e manutenção de filtros, dutos e fiação.

Segundo Rafael Barbosa dos Santos, técnico proprietário da RS Climatização, emendas mal feitas ou fiação inadequada podem resultar em incêndios como o do Hospital Santa Luzia.

“Por exemplo, se eu usar um fio 1,5mm em um aparelho de 18.000 BTUs, é tragédia na certa. Muitas emendas podem causar isso, assim como aparelhos sem disjuntores ou com disjuntores mal dimensionados”.
Ele complementa. “Eu realizo a manutenção de um hotel que tem 134 apartamentos. Para manter a saúde dos aparelhos eu faço a higienização de todos, anualmente e testo a potência e a carga de cada um para ter certeza que não tem alguma emenda mal feita”, explica.

O que diz a legislação?

Aliás, a norma da ABNT NBR 7256 estabelece parâmetros básicos e requisitos aos sistemas de ar-condicionado de hospitais. Desta forma, a manutenção deve ser frequente, de modo que evite a proliferação dos agentes contaminantes e garanta conforto térmico aos presentes.

Vale reforçar ainda que a manutenção deve ser periódica para hospitais que possuam aparelhos acima de 60.000 BTUs, conforme exige o Plano de Manutenção Operação e Controle (PMOC), e que faz parte da Portaria 3.523/GM de agosto de 1998, que busca garantir a qualidade do ambiente e preservar a saúde das pessoas. O não cumprimento deste plano pode render em uma multa de até R$ 1,5 milhão.