Por Otto Rezende *

13.1 – As ligações elétricas de força das condensadoras são normalmente trifásicas 3f+n+t(380 v) ou 3f+t (220 v), observando-se logicamente a bitola dos cabos de acordo com as potências das mesmas.

13.2 – As evaporadoras normalmente são monofásicas 220V e devem ser aterradas. Logo abaixo você pode ver um esquema unifilar com as ligações de potência e interligações dos cabos de comunicação entre evaporadoras e condensadoras.

Clique na imagem para ampliar


Como podemos observar, o cabo shield sai da condensadora, onde é ligado nos bornes correspondentes. A malha do shield é ligada à terra, passando pelas evaporadoras e fazendo uma ligação em série. Atenção para a polaridade.

A malha do shield não precisa ser aterrada nas evaporadoras, mas precisa ser contínua até a última evaporadora do sistema. Desta maneira, quando energizamos o sistema, a placa de rede da condensadora reconhece todas as evaporadoras que estão ligadas no cabo de rede, e quando ligamos qualquer uma das evaporadoras pelo controle remoto a condensadora também correspondente via rede e entra em funcionamento para atender à carga  solicitada por esta evaporadora.

Podemos ver na imagem que nas placas de rede das condensadoras também temos saída para comunicação entre as demais condensadoras e saída para automação, que podem ser integradas ao sistema de automação central do imóvel.

Leia aqui todos os posts de Otto Rezende sobre sistemas VRF 

*Otto Rezende é engenheiro eletricista formado pela Universidade de Taubaté (UNITAU-SP) e trabalha com sistemas de ar condicionado VRF.

Contato: ottorezende@ig.com.br