[ x ] Fechar

Sem ar condicionado, Biblioteca Nacional funciona com horário reduzido

  • 21 de janeiro de 2013
  • Nenhum Comentário

Biblioteca nacional - RJ Um dos principais centros culturais do Brasil está sofrendo com a falta de ar-condicionado, a Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. O prédio está com graves problemas em sua estrutura, como rachaduras nos rebocos, infestação de pragas e defeito no ar condicionado central. Após um dia de paralisação, em 16 de janeiro, a administração da biblioteca informou a redução da jornada de trabalho durante todo o verão. Vai abrir das 8h às 14h, até que a temperatura caia.

Desde maio do ano passado, quando houve um vazamento no sistema de climatização, os condicionadores de ar estão desligados. A falta de climatização traz muito transtornos, pois o Rio de Janeiro tem registrado altas temperaturas. Usuários, pesquisadores e funcionários alegam que é impossível permanecer por muito tempo nas dependências do prédio, principalmente nos armazéns e no setor de obras raras.

Acervo prejudicado
A temperatura ideal para conservação das obras é 22º. Porém, em determinados pontos da biblioteca, a sensação térmica beira os 50º, pondo em risco a conservação do acervo. Em maio, o vazamento de água atingiu uma parte da coleção de jornais. Na época, os funcionários improvisaram um varal para secar as publicações. A partir daí, o sistema de ar-condicionado teve de ser desligado por completo. Neste verão a visitação já caiu 30%.Biblioteca Nacional RJ

O que dizem os órgãos responsáveis
O Ministério da Cultura informou que serão investidos 70 milhões em obras para a reparação de todo o prédio da Biblioteca Nacional. A restauração de todo o sistema de climatização do prédio leva em torno de 2 anos, mas a diretora-executiva da Biblioteca Nacional, Loana Maia, diz que espera conseguir minimizar o problema em um prazo mais curto.Sem climatização, Biblioteca Nacional funciona com horário reduzido

Prédio histórico
Considerada a maior da América Latina, a Biblioteca Nacional abriga hoje livros, manuscritos, gravuras, objetos e mapas. Foi construída em 1810 com acervo inicial de 60 mil peças, trazidas pela família imperial. Sua capacidade foi projetada para 400 mil volumes, mas hoje abriga 9 milhões de itens. A cada ano, a biblioteca Nacional recebe cerca de 100 mil novos exemplares.Biblioteca Nacional - RJ

Texto criado exclusivamente pelo setor de jornalismo do portal
WebArCondicionado. Com informações de Folha de são Paulo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *