[ x ] Fechar

Crise transforma cidade ‘mais fria’ da Venezuela na mais quente

  • 23 de junho de 2016
  • Nenhum Comentário

Em Maracaibo, a segunda cidade mais importante da Venezuela, o ar-condicionado é considerado imprescindível, como algo de primeira necessidade. Isso porque a temperatura média do lugar é de 35ºC, com uma sensação térmica que pode chegar aos 50ºC devido aos altos índices de umidade do ar (90%) gerados pela evaporação no Lago Maracaibo, o maior da América Latina. Lá, o vento não refresca. Queima.

Por causa disso, a falta de luz é apontada como um dos problemas mais graves do local, acontecendo nos últimos anos com frequência. No entanto, especialmente em 2016, o governo do presidente Nicolás Maduro lançou um plano de racionamento de energia elétrica, agravando a situação.

O uso do ar-condicionado na cidade até então ocorria praticamente o dia inteiro, levando Maracaibo a ter um dos maiores consumos de energia elétrica do país e ficar conhecida também como “a cidade mais fria da Venezuela”. O lugar também era considerado um dos mais ricos do país, impulsionado pelo crescimento da indústria petroleira antes da crise econômica.

Sem energia
Apesar disso, para a tristeza dos venezuelanos, o racionamento foi oficializado esse ano, o que gerou protestos ao redor do país, incluindo Maracaibo. Os cortes produzem um silêncio fazendo com que não se escutem mais buzinas nem os ruídos dos aparelhos de ar condicionado e o barulho da TV, prejudicando principalmente o comércio da região.

Passar pela porta de um shopping center já não produz mais um suspiro de satisfação, mas eles ainda são mais frescos que o lado de fora porque mantêm um pouco de luz, mesmo não sendo “congelantes” como antes.

Quando falta luz, pouco mais se pode fazer do que esperar. Nos momentos de maior desespero com o calor, quem possui automóvel com ar-condicionado corre para o carro e a saída é dar voltas por Maracaibo com o aparelho do veículo ligado.

Redação do Portal WebArCondicionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *