[ x ] Fechar

Ar-condicionado sem manutenção é apontado como principal responsável por doenças respiratórias do verão amazônico de Manaus

  • 12 de setembro de 2014
  • Nenhum Comentário

Nada melhor do que o ar-condicionado para aliviar o calor intenso que ocorre em todo o país, principalmente nas regiões Norte e Nordeste. Mas o ambiente fresco e agradável pode trazer diversas complicações à saúde. Médicos do sistema público de saúde de Manaus apontam os aparelhos de ar-condicionado sem manutenção e as queimadas urbanas como os principais vilões nos registros de doenças respiratórias nessa época do ano, chamada de “verão amazônico”.

Segundo especialistas em climatologia da Amazônia, é comum entre os meses de julho e outubro a diminuição das chuvas e o aumento do calor em Manaus. O clima seco é agravado pelas queimadas ao redor da cidade e também nos municípios da chamada zona de desmatamento, no Sul do Amazonas. Com o aumento da temperatura, a tendência é que as pessoas procurem alternativas para amenizar o calor, como deixar o ambiente climatizado através do ar-condicionado. No entanto, o clima seco produzido pelo aparelho pode trazer à tona crises de rinite, sinusite, asma, refletindo nas vias respiratórias.

O médico Wagner William indica que as pessoas devem reforçar os cuidados com manutenção de limpezas desses aparelhos, sobretudo os que funcionam em ambientes coletivos. A falta de higienização pode resultar no acúmulo e proliferação de bactérias, favorecendo as doenças respiratórias.

Entenda melhor
O filtro dos aparelhos que “gelam” o ar não consegue reter todas as impurezas existentes, que se acumulam nos ductos e fazem com que a circulação de ar prejudique a saúde de quem está exposto ao aparelho. Desse modo, a higienização e a troca periódica do filtro tronam-se extremamente importantes.

É importante lembrar que não só o filtro do ar-condicionado deve ser higienizado, mas também os ductos internos, pois é lá que bactérias e resquícios de água ficam alojados. A limpeza é normalmente realizada a cada três meses, e a cada seis deve-se trocá-lo. O mesmo serve para o ar-condicionado de carros, porém, o parâmetro para troca é de 5.000 a 10.000 quilômetros rodados, o que dá aproximadamente um ano.

Redação do Portal WebArCondicionado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *