Fluidos Refrigerantes

Collapse

Orçamento de Ar Condicionado - Posts

Collapse

Anúncio

Collapse
No announcement yet.

Subresfriamento

Collapse
X
  • Filtro
  • Hora
  • Show
Clear All
new posts

  • Subresfriamento

    Boa tarde pessoal! Gostaria de saber como fazer o cálculo do COP real (com dados medidos em campo) de equipamentos com Capacidade de Refrigeração abaixo de 24000 BTUs onde não é possível medir a pressão de alta com manômetro?

  • #2
    Postado originalmente por RBP Refrig Ver Post
    Boa tarde pessoal! Gostaria de saber como fazer o cálculo do COP real (com dados medidos em campo) de equipamentos com Capacidade de Refrigeração abaixo de 24000 BTUs onde não é possível medir a pressão de alta com manômetro?
    Talvez eu não tenha entendido direito sua dúvida.Vou te passar um link bem resumido daqui do fórum mesmo que talvez te ajude . EER e COP são siglas relacionadas à eficiência energética em relação à eficiencia da oferta ou transformaçãode watt´s consumido por watt´s calor.as pressões como as temperaturas de trabalho seja o super ou sub resfriamento tem mais a ver com a performance e rendimento operacional de acordo às especificações do projeto e aplicação de cada fabricante.

    Já a EER como o COP é a relação da potencia de consumo elétrico em watt´s que chamamos de trabalho e da oferta de calor em watt´s por cada watt´s consumido ou gasto. Ex num equipamento que consome 1 watts de potencia,produz transforma ou oferece 3 watt´s de calor .. quanto maior for essa relação maior será o rendimento.Aqui no brasil equipamentos considerados bem eficientes tem um EER ou COP entre 3 watt´s e 4 watt´s.Abraço .

    Comment


    • #3
      Postado originalmente por jairo bertoni Ver Post

      Talvez eu não tenha entendido direito sua dúvida.Vou te passar um link bem resumido daqui do fórum mesmo que talvez te ajude . EER e COP são siglas relacionadas à eficiência energética em relação à eficiencia da oferta ou transformaçãode watt´s consumido por watt´s calor.as pressões como as temperaturas de trabalho seja o super ou sub resfriamento tem mais a ver com a performance e rendimento operacional de acordo às especificações do projeto e aplicação de cada fabricante.

      Já a EER como o COP é a relação da potencia de consumo elétrico em watt´s que chamamos de trabalho e da oferta de calor em watt´s por cada watt´s consumido ou gasto. Ex num equipamento que consome 1 watts de potencia,produz transforma ou oferece 3 watt´s de calor .. quanto maior for essa relação maior será o rendimento.Aqui no brasil equipamentos considerados bem eficientes tem um EER ou COP entre 3 watt´s e 4 watt´s.Abraço .
      Jairo, muito obrigado pela resposta!
      Mas é o seguinte, minha idéia é monitorar a Eficiência Energética de um sistema de climatização através do monitoramento do COP real do sistema. Para eu conseguir calcular o COP real, preciso de medições de Pressão de Alta (condensação), Subresfriamento, Pressão de Baixa (Evaporação) e Superaquecimento, pois assim consigo calcular o COP diretamente através da razão das Entalpias dos pontos relacionados (h1, h2, h3 e h4). Porém, aparelhos até 24.000 BTUs não possuem a válvula que possibilita coletar a Pressão de Alta com o Manifold. Com isso, não consigo obter o valor da Pressão de Condensação e consequentemente o subresfriamento, o que me possibilitaria achar as entalpias relacionadas para o cálculo do COP (ou EER).

      Não sei se consegui ser mais claro sobre minha dúvida. Valeu demais pela ajuda!!

      Comment


      • #4
        Postado originalmente por RBP Refrig Ver Post

        Jairo, muito obrigado pela resposta!
        Mas é o seguinte, minha idéia é monitorar a Eficiência Energética de um sistema de climatização através do monitoramento do COP real do sistema. Para eu conseguir calcular o COP real, preciso de medições de Pressão de Alta (condensação), Subresfriamento, Pressão de Baixa (Evaporação) e Superaquecimento, pois assim consigo calcular o COP diretamente através da razão das Entalpias dos pontos relacionados (h1, h2, h3 e h4). Porém, aparelhos até 24.000 BTUs não possuem a válvula que possibilita coletar a Pressão de Alta com o Manifold. Com isso, não consigo obter o valor da Pressão de Condensação e consequentemente o subresfriamento, o que me possibilitaria achar as entalpias relacionadas para o cálculo do COP (ou EER).

        Não sei se consegui ser mais claro sobre minha dúvida. Valeu demais pela ajuda!!
        se vc medir a temperatura de descarga na saída do condensador com um termometro com sensor de contato tipo penta com a temperatura encontrada vc checa na tabela a de pressão X temperatura do gás refrigerante que o equipamento opera ... .não seria a forma mais adequada mas com certeza vc teria a pressão aproximada comparando na tabela a temperatura de descarga.

        ou recolher o gás refrigerante e soldar nas imediações da tubulação de saída do condensador esse extensor de tubo de cobre 1/4 com válvula schrader que tá no link daí vc mata a charada. https://capitalrefrig.com.br/valvula...re-100mm-solda abraço
        Last edited by jairo bertoni; 03/09/19, 22:28.

        Comment


        • #5
          Postado originalmente por jairo bertoni Ver Post

          se vc medir a temperatura de descarga na saída do condensador com um termometro com sensor de contato tipo penta com a temperatura encontrada vc checa na tabela a de pressão X temperatura do gás refrigerante que o equipamento opera ... .não seria a forma mais adequada mas com certeza vc teria a pressão aproximada comparando na tabela a temperatura de descarga.

          ou recolher o gás refrigerante e soldar nas imediações da tubulação de saída do condensador esse extensor de tubo de cobre 1/4 com válvula schrader que tá no link daí vc mata a charada. https://capitalrefrig.com.br/valvula...re-100mm-solda abraço
          Humm....essa temperatura de descarga na saída do condensador é a temperatura do calor que está sendo rejeitado? pode ser uma alternativa mesmo para se ter uma Temperatura de Condensação aproximada....essa temperatura deve ser um pouco maior q a de condensação mesmo devido ao desuperaquecimento né? Mas a queda de pressão na entrada e saída do Condensador deve ser bem pequena né? Vc tem ideia dessa queda de pressão em Bar? ou da queda Pressão da Linha de Descargo, vc tem ideia se costuma ser muito ou pouco?

          Obrigado!

          Comment


          • #6
            Postado originalmente por RBP Refrig Ver Post

            Humm....essa temperatura de descarga na saída do condensador é a temperatura do calor que está sendo rejeitado? pode ser uma alternativa mesmo para se ter uma Temperatura de Condensação aproximada....essa temperatura deve ser um pouco maior q a de condensação mesmo devido ao desuperaquecimento né? Mas a queda de pressão na entrada e saída do Condensador deve ser bem pequena né? Vc tem ideia dessa queda de pressão em Bar? ou da queda Pressão da Linha de Descargo, vc tem ideia se costuma ser muito ou pouco?

            Obrigado!
            Sinceramente não sei.Me atenho às informações dadas pelo fabricante relacionadas à instalação geralmente passadas pra gente nos treinamentos e na boa operacionalidade do equipamento depois de instalado Por que essa precisão ou detalhes na verdade deve ser mensurado e encontrado pela engenharia de campo do fabricante nos testes de laboratório em cima do projeto e aplicação do equipamento.Vc teria que consultar o fabricante sobre isso.

            A gente não tem acesso a detalhes sobre a operação do projeto e sua aplicação.Essas informações dependem muito de que tipo de curso vc quer fazer.Se vc quer aprofundar na teoria,existem cursos profissionalisantes de 4 anos por exemplo nas escolas SENAI que é bastante completo Quando algum monitor engenheiro que aplica cursos de instalação passa alguma noção teórica ela é quase sempre de forma bastante superficial

            .Os cursos e treinamentos que fazemos geralmente não são teóricos,mas bastante práticos.Dificilmente dão uma noção de entalpia ,entropia ,calor latente e sensível ,peso massa ,pressão ,gráficos de temperatura de condensação e evaporação dos líquidos ,curvas isobáricas etc ..Geralmente esses cursos e treinamentos não entram nesses detalhes,focam mais problemas,soluções e as boas práticas do equipamento no campo.

            Orientam como encontrar o SA e o SD sendo que as manifold´s digitais já nos dão direto esses parametros já calculados.. já com conversão das pressões de trabalho em psi pascal ou bar e suas subdivisões.O que vc quer a gente encontra em equipamentos chamados de precisão.que também dão enfase e controlam também o calor sensível.Nesse caso a coisa Já está inserida e integrada à automação e controle .

            Em equipamentos inverter´s é bem mais difícil encontrar algum dado fixo, por causa da operação fracionada e modulada,o SA e o SD também acompanha essa modulação máxima e mínima e todos os níveis da variação de temperatura de acordo a demanda de carga térmica e por tabela e é claro que a pressão também acompanha essa variação.Além do mais a eer e cop é sempre a mesma independentemente da modulação pois são parâmetros de trabalho na relação direta da potencia elétrica de consumo e sua oferta ou transformação dessa potencia em calor.

            Se o equipamento vai economizar mais ou menos vai depender e será de acordo e estarão atrelados aos modos de setagens de operação que cada cliente determinar ou escolher .Pra nós instaladores na nossa indicação sempre olhamos essa relação entre watt´s potencia elétrica de energia consumida pra cada watt´s ofertados em watt´s calor nas informações técnicas nominais de trabalho de cada fabricante .Encontrar o SA e o SD e o delta de temperatura é uma forma de checagem de operação se ela está dentro do que pede o fabricante na sua aplicação e uma forma de garantir e checar a boa operacionalidade do equipamento além de outros testes quando na instalação e entrega do equipamento ao cliente.E como disse acima na inversão pro exemplo essas grandezas não são exigidas .Digo isso em mini split´s de parede ok?

            Curvas entálpicas de cada fase ou estado dos fluídos refrigerantes dentro da operação sai fora do escopo e responsabilidade do instalador.Claro que estou falando em relação à instalação propriamente dita . Essas gradezas se estiverem fora do que o fabricante determinou em seu projeto ,claro que o produto vai ter problemas

            Além do que as temperaturas podem variar de acordo aàs características ambientais de cada região .E isso está proporcionalmente ligado a pressão e volume.Além de umidade relativa ,temperaturas de bulbo seco e úmido ponto de orvalho,taxas de renovação de ambientes por um volume pré determinado de ar externo etc...Abraço boa sorte.

            Comment


            • #7
              Postado originalmente por jairo bertoni Ver Post

              Sinceramente não sei.Me atenho às informações dadas pelo fabricante relacionadas à instalação geralmente passadas pra gente nos treinamentos e na boa operacionalidade do equipamento depois de instalado Por que essa precisão ou detalhes na verdade deve ser mensurado e encontrado pela engenharia de campo do fabricante nos testes de laboratório em cima do projeto e aplicação do equipamento.Vc teria que consultar o fabricante sobre isso.

              A gente não tem acesso a detalhes sobre a operação do projeto e sua aplicação.Essas informações dependem muito de que tipo de curso vc quer fazer.Se vc quer aprofundar na teoria,existem cursos profissionalisantes de 4 anos por exemplo nas escolas SENAI que é bastante completo Quando algum monitor engenheiro que aplica cursos de instalação passa alguma noção teórica ela é quase sempre de forma bastante superficial

              .Os cursos e treinamentos que fazemos geralmente não são teóricos,mas bastante práticos.Dificilmente dão uma noção de entalpia ,entropia ,calor latente e sensível ,peso massa ,pressão ,gráficos de temperatura de condensação e evaporação dos líquidos ,curvas isobáricas etc ..Geralmente esses cursos e treinamentos não entram nesses detalhes,focam mais problemas,soluções e as boas práticas do equipamento no campo.

              Orientam como encontrar o SA e o SD sendo que as manifold´s digitais já nos dão direto esses parametros já calculados.. já com conversão das pressões de trabalho em psi pascal ou bar e suas subdivisões.O que vc quer a gente encontra em equipamentos chamados de precisão.que também dão enfase e controlam também o calor sensível.Nesse caso a coisa Já está inserida e integrada à automação e controle .

              Em equipamentos inverter´s é bem mais difícil encontrar algum dado fixo, por causa da operação fracionada e modulada,o SA e o SD também acompanha essa modulação máxima e mínima e todos os níveis da variação de temperatura de acordo a demanda de carga térmica e por tabela e é claro que a pressão também acompanha essa variação.Além do mais a eer e cop é sempre a mesma independentemente da modulação pois são parâmetros de trabalho na relação direta da potencia elétrica de consumo e sua oferta ou transformação dessa potencia em calor.

              Se o equipamento vai economizar mais ou menos vai depender e será de acordo e estarão atrelados aos modos de setagens de operação que cada cliente determinar ou escolher .Pra nós instaladores na nossa indicação sempre olhamos essa relação entre watt´s potencia elétrica de energia consumida pra cada watt´s ofertados em watt´s calor nas informações técnicas nominais de trabalho de cada fabricante .Encontrar o SA e o SD e o delta de temperatura é uma forma de checagem de operação se ela está dentro do que pede o fabricante na sua aplicação e uma forma de garantir e checar a boa operacionalidade do equipamento além de outros testes quando na instalação e entrega do equipamento ao cliente.E como disse acima na inversão pro exemplo essas grandezas não são exigidas .Digo isso em mini split´s de parede ok?

              Curvas entálpicas de cada fase ou estado dos fluídos refrigerantes dentro da operação sai fora do escopo e responsabilidade do instalador.Claro que estou falando em relação à instalação propriamente dita . Essas gradezas se estiverem fora do que o fabricante determinou em seu projeto ,claro que o produto vai ter problemas

              Além do que as temperaturas podem variar de acordo aàs características ambientais de cada região .E isso está proporcionalmente ligado a pressão e volume.Além de umidade relativa ,temperaturas de bulbo seco e úmido ponto de orvalho,taxas de renovação de ambientes por um volume pré determinado de ar externo etc...Abraço boa sorte.
              Obrigado por suas impressões Jairo! É, talvez fique um pouco inviável querer monitorar o COP e EER com medições de campo pois acho que os parâmetros a serem controlados seriam demais. Por exemplo: temperatura ambiente, umidade relativa, alem de ter outras implicações como no caso inicial de coletar a Pressão de Alta de alguns aparelhos. Acho que o melhor a fazer mesmo é controlar os parâmetros (que tb influenciam indiretamente no COP) como SuperAquecimento e Subresfriamento (quando der), Pressão de Baixa e Pressão de Alta (quando der), temperatura de insuflamento, etc....e comparar com as especificações do Fabricante que coletamos do catálogo técnico. Assim estaremos tb, de certa forma, garantindo o maximo COP possivel nas condições medidas. Outros parâmentros de controle são as anomalias né, tais como sujeira nas serpentinas do condensador, capacitancia do motoventilador, isolamentos das linhas e etc, mas esses são imensuráveis, basta atuar na manutenção de forma correta.
              Acho que é isso, né? Poderia confirmar, por favor?

              Valeu!!

              Comment


              • #8
                Postado originalmente por RBP Refrig Ver Post

                Obrigado por suas impressões Jairo! É, talvez fique um pouco inviável querer monitorar o COP e EER com medições de campo pois acho que os parâmetros a serem controlados seriam demais. Por exemplo: temperatura ambiente, umidade relativa, alem de ter outras implicações como no caso inicial de coletar a Pressão de Alta de alguns aparelhos. Acho que o melhor a fazer mesmo é controlar os parâmetros (que tb influenciam indiretamente no COP) como SuperAquecimento e Subresfriamento (quando der), Pressão de Baixa e Pressão de Alta (quando der), temperatura de insuflamento, etc....e comparar com as especificações do Fabricante que coletamos do catálogo técnico. Assim estaremos tb, de certa forma, garantindo o maximo COP possivel nas condições medidas. Outros parâmentros de controle são as anomalias né, tais como sujeira nas serpentinas do condensador, capacitancia do motoventilador, isolamentos das linhas e etc, mas esses são imensuráveis, basta atuar na manutenção de forma correta.
                Acho que é isso, né? Poderia confirmar, por favor?

                Valeu!!
                sim é por aí.abraço boa sorte

                Comment

                Working...
                X