[ x ] Fechar

R134A, R410A e R407C poderão ser proibidos em Chillers

  • 25 de outubro de 2016
  • Nenhum Comentário

Mudanças no setor de fluidos refrigerantes estão sempre acontecendo, e nós do WebAr estamos sempre atentos para comunicar a você.

A novidade agora é que o Instituto de Ar Condicionado, Aquecimento e Refrigeração (AHRI) e o Conselho de Defesa dos Recursos Naturais (NRDC) dos Estados Unidos emitiram uma carta conjunta apoiando a proposta da Agência de Proteção Ambiental (EPA) para proibir os gases R134A, R410A e R407C em novos sistemas de chillers a partir de 2025. A ação, por enquanto, passará a valer apenas para os americanos.

Leia também: Gás refrigerante R22a é um risco à segurança dos consumidores

A EPA está desenvolvendo regulamentações no programa Política de Novas Alternativas Significativas (SNAP), com prazos para acabar com o uso desses HFCs em aplicações onde existem alternativas mais seguras. A organização já havia emitido uma primeira proposta padrão em julho de 2015, mas agora irá englobar mais categorias de equipamentos, incluindo refrigeradores.

Baixo GWP é o foco
A AHRI e a NRDC têm participado de debates sobre a importância de avançar com responsabilidade nos refrigerantes de alta potência utilizados em câmaras de refrigeração. As considerações incluem a segurança dessas alternativas, a melhoria contínua da eficiência energética dos sistemas, um prazo de desenvolvimento de novos produtos e a prevenção da migração do mercado.

Com esses fatores em mente, as instituições apoiam a EPA nas seguintes mudanças: remover o R134a, o R410A e o R407C na lista de substitutos aceitáveis em todos os novos chillers refrigerados por ar e por água utilizando compressores centrífugos, de parafuso, scroll e todos os outros tipos, tornando-se eficaz a partir de 1º de janeiro de 2025.

As duas instituições destacaram sua convicção de que o prazo de oito anos será tempo suficiente para que os fabricantes desenvolvam alternativas de baixo GWP (potencial de aquecimento global) que atendem a segurança e as normas técnicas.

Redação do Portal WebArCondicionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *