O Instituto de Energia de Birmingham, na Inglaterra, divulgou recentemente um relatório sobre os desafios da refrigeração pelo mundo. O estudo se chama A Cool World – Defining the Energy Conundrum of Cooling for All, (Um Mundo Fresco – Resolvendo a Questão Energética, em tradução livre) e calcula que até 2050 o número de aparelhos de ar condicionado funcionando no mundo será quatro vezes maior do que o atual, indo de 3,6 bilhões para 14 bilhões de unidades.

Isso significa que, segundo o relatório, 19 instalações serão feitas a cada segundo nos próximos 30 anos. A pesquisa foi conduzida pelo professor do Birmingham, Toby Peters, e faz parte dos esforços da ONU para atingir as metas de refrigeração para todos (Cooling for all). Não se trata de dar acesso a condicionadores de ar para todas as pessoas do mundo, mas de resolver as problemáticas de climatização que atingem as populações mais pobres.

Ao mesmo tempo, o cooling for all também tenta reduzir o consumo energético das tecnologias de refrigeração já existentes, para evitar o agravamento do Efeito Estufa. Uma tarefa nada fácil, já que o próprio Efeito Estufa causa o Aquecimento Global, causando maior demanda por aparelhos de refrigeração.

Ondas de Calor

Então a meta da ONU envolve também garantir que as pessoas mais isoladas geográfica e socialmente possam disponibilizar principalmente de alimentos e medicações armazenados corretamente. Isso, sem contar, claro, com o conforto térmico. O relatório de Toby Peter prevê que até 2050 a média mundial de pessoas morrendo por causa de ondas de calor seja de 260 mil por ano. A média hoje é de 12 mil.

Baixa Produtividade

E mesmo quando não se fala de casos de vida ou morte, o desconforto térmico tem outras implicações também. A pesquisa aponta que, em 2050, as horas de trabalho perdidas por causa do calor serão de 12% do total trabalhado. São 12% a menos de produtividade que podem afetar qualquer setor, e isso preocupa o mercado.

O consumo só vai aumentar

Toby Peters também diz que o ideal seria uma redução de 70% no consumo de energia voltada ao setor HVAC nos próximos 30 anos. Mas a previsão mais otimista indica que podemos alcançar 30% com custos muito altos. Isso ainda quer dizer gastar em torno de três vezes mais do que se gasta atualmente.

Redação do Portal WebArCondicionado.