[ x ] Fechar

Leonardo Cozac: a qualidade do ar nas salas de aula está sendo negligenciada?

  • 27 de maio de 2016
  • Nenhum Comentário

A Qualidade do Ar nas Salas de Aula está Sendo Negligenciada?

Atualizado em 08/03/2017

Por: Leonardo Cozac

A qualidade do ar interior (QAI) em edifícios comerciais tem recebido a atenção da imprensa ultimamente, principalmente após a morte do ex-ministro das comunicações Sérgio Motta e a consequente publicação da Portaria 3.523 pelo Ministério da Saúde em 28 de agosto de 1998.

Diversas legislações e normas técnicas foram publicadas no Brasil desde então, bem como inspeções e fiscalização por agentes sanitários, trabalhistas e de conselhos de órgãos de classe em sistemas de ar condicionado.

Porém, pode-se argumentar que são as escolas, juntamente com a ambientes hospitalares, que têm as maiores implicações quando se trata da diferença entre bom e mau desempenho de QAI. Os alunos gastam cerca de 4 a 5 horas diárias, cinco dias por semana, 40 semanas por ano, durante aproximadamente 13 anos em salas de aula. As características desses espaços são muito importantes para o desenvolvimento dos alunos.

A Resolução 09 de 16 de janeiro de 2003 da ANVISA – Agencia Nacional de Vigilância Sanitária, recomenda o máximo de 1000 partes por milhão (ppm) de CO2 para ambientes internos.

A ventilação inadequada faz com que CO2 e contaminantes do ar interior se acumulem em espaços ocupados.  Em um grande número de escolas, os níveis de dióxido de carbono passam de 3.000 ppm.

A realidade mostra cada vez mais salas de aula com mais alunos e com menos espaço e janelas reduzidas, causam esse ambiente saturado.

A Qualidade do Ar nas Salas de Aula está Sendo Negligenciada?Uma consequência adicional da ventilação inadequada é o acúmulo de outros contaminantes do ar interior, como os compostos orgânicos voláteis – COVs, incluindo o formaldeído.

Os COVs podem ser encontrados em diversos produtos de construção e manutenção utilizados nas salas de aula, incluindo tapetes, vinil, tintas, selantes, plásticos, produtos de madeira, móveis, eletrônicos, agentes de limpeza e tantos outros.

Outro grande problema é a capacidade do ar interior de espalhar infecções virais e bacterianas, sendo a proliferação de mofo um fator de contribuição especial.

Há uma crescente incidência de condições de saúde crônicas, como asma, viroses, alergias e outras sensibilidades. A asma é a principal causa de faltas nas escolas entre as crianças dos Estados Unidos.

Recentemente, a prefeitura da cidade de Santos/ SP, licitou a compra de 3.000 aparelhos de ar condicionado do tipo Split para escolas do município.  Apesar de ser uma ação com objetivo de trazer conforto aos alunos e professores, é uma catástrofe em relação a qualidade do ar interna.

A Qualidade do Ar nas Salas de Aula está Sendo Negligenciada?Para ser utilizado em ambientes não residenciais, deve ser feito adaptações como sistema de filtragem eficiente e renovação de ar, que permitam ao ambiente não ter um ar saturado.

O aparelho Split convencional não possui filtragem adequada e nem renovação de ar. Infelizmente em nosso país esse tipo de equipamento vem sendo utilizado em aplicações não residências em larga escala e representa mais de 90% das vendas de aparelho de ar condicionado no Brasil.

Isso resulta em diversos ambientes com instalações irregulares, fora das normas técnicas e legislações brasileiras.

Estudo da Universidade Técnica da Dinamarca, mostra ganhos de performance dos alunos em 14,5% em ambientes com uma boa qualidade do ar. Isso representa que um aluno é capaz de aprender em 06 anos o que ele aprenderia em 07. Nem precisa ser bom em matemática para enxergar o ganho financeiro para um país com investimentos nesse assunto.

Um Programa de Qualidade do Ar em Escolas deve estar na agenda de desenvolvimento do país, principalmente quando o governo deseja ser uma PÁTRIA EDUCADORA.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *