As altas temperaturas de Cuiabá não foram o suficiente para que os 18 presos provisórios do Centro de Custódia, penitenciária da capital, tivessem o pedido por ar condicionado nas celas atendido.

O juiz Geraldo Fidélis, da Vara de Execuções Penais de Cuiabá, negou a solicitação dos detentos, que inclui o ex-governador Silval Barbosa (PMDB), mesmo eles alegando que faz muito calor na unidade penal e se dispondo a comprar os aparelhos, a fim de garantir “uma custódia com mais dignidade”. O local tem capacidade para 30 pessoas, e atualmente comporta 23.

Leia também: Presídios com ar-condicionado começam a ganhar força no Brasil e no mundo

Fidélis consultou a Superintendência de Gestão de Cadeias, que informou que a instalação de compressor nos aparelhos de ar condicionado fragilizaria a segurança da Unidade Penitenciária. Desse modo, o juiz determinou que sejam instalados exaustores nas celas, semelhantes aos que foram colocados nas unidades do interior. A ação deve ser colocada em prática no prazo de trintas dias ou então a impossibilidade de cumprimento deverá ser justificada.

Climatização tem prioridades
Além disso, o magistrado disse na decisão que a sensação de calor aflige a todos. “Assim, poderíamos falar na necessidade de se implantar condicionadores de ar em prontos-socorros, unidades de saúde pública, salas de aula, creches, órgão públicos, enfim, em toda demanda social que, infelizmente, não possui tais aparelhos”, diz o trecho da decisão.

Redação do Portal WebArCondicionado. Com informações de G1.