[ x ] Fechar

Emissor termal é desenvolvido para “enviar o calor para o espaço”

  • 05 de janeiro de 2017
  • Nenhum Comentário

Há dois anos divulgamos uma ideia de pesquisadores da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos. Um sistema de resfriamento passivo que captura o calor em cima de edifícios e o irradia de volta para o espaço, sem aquecer o ar circundante e sem uso de energia elétrica.

Na época eles haviam desenvolvido um material ultrafino, semelhante a um espelho. Mas em 2016, os estudiosos construíram um emissor termal, um dispositivo ainda mais eficiente feito de seleneto de zinco. Esse equipamento libera mais calor do que recebe e é capaz de atingir uma temperatura de 42,2ºC abaixo da que o ambiente estiver.

“Para atingir um resfriamento de alto desempenho, a chave é acoplar qualquer objeto que você queira resfriar com o espaço exterior e desacoplá-lo do meio ambiente ao seu redor,” disse Zhen Chen, um dos desenvolvedores.

A radiação térmica de comprimentos de onda entre 8 e 13 micrômetros passa direto pela atmosfera da Terra, em direção ao espaço. Porém, “a maioria dos objetos libera calor em comprimentos de onda diferentes”. Já, o emissor termal, emite o calor e a maior parte desse calor cai exatamente na radiação térmica que passa pela atmosfera.

Testes de envio do calor para o espaço

O dispositivo foi colocado isoladamente em uma câmara de vácuo, eliminando qualquer transferência de calor por condução ou por convecção. Em cima da câmara de vácuo foi projetada uma janela, virada para uma parte clara do céu.

Em 30 minutos, após o ar ser bombeado da câmara, a temperatura do dispositivo baixou em 40 °C, muito abaixo do ponto de congelamento da água. Durante as primeiras 24 horas, ele se manteve em média 37 °C abaixo da temperatura do ambiente, chegando a 42,2°C.

Já existe uma empresa que comercializa o dispositivo de resfriamento passivo feito de seleneto de zinco, porém, é muito caro. Por isso eles estão estudando outros materiais mais baratos. Segundo os pesquisadores, os testes são apenas exemplos, pois poucas regiões no planeta necessitam de um desempenho tão alto.

Redação do Portal WebArCondicionado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *