[ x ] Fechar

Debate sobre fluidos refrigerantes marcou a Semana do Meio Ambiente em Porto Alegre

  • 06 de junho de 2012
  • 2 Comentários

Aconteceu na manhã desta quarta-feira (6), no Plenário Ana Terra da Câmara Municipal de Vereadores de Porto Alegre, a palestra sobre controle e emissões de fluidos refrigerantes promovida ela ASBRAV e Secretaria Municipal do Meio Ambiente. O evento, que foi ministrado pelo projetista, engenheiro mecânico e professor da UnB, João Manoel Dias Pimenta, fez parte de uma série de palestras que ocorreram ao longo da Semana do Meio Ambiente de POA.

“3Kg de gás vazando equivale a 10.400 Kg de CO2, algo semelhante a um carro rodando por dois anos”, comparou João Pimenta.

Entre os participantes estavam membros de órgãos públicos e privados, além de representantes da ASBRAV e engenheiros mecânicos. A reciclagem de fluidos é tema ainda pouco conhecido pela sociedade, mas é de grande importância. “Desde 2008 a Asbrav intensificou seus trabalhos na parte de preservação do meio ambiente, destacando as boas práticas no manuseio de fluidos refrigerantes. Nesse sentido buscamos promover eventos como a palestra de hoje, para conscientizar nosso pessoal”, disse o presidente da Asbrav, Luiz Afonso Dias.

Ao final do evento, os participantes debateram os manuseios dos fluidos e expuseram dúvidas sobre o assunto. No vídeo abaixo, o palestrante e o presidente da Asbrav falam sobre o tema:

Linha do tempo dos fluidos refrigerantes

João Pimenta iniciou a palestra expondo uma linha do tempo sobre os fluidos refrigerantes, abordando as três gerações que marcaram a história destes gases. Somente na terceira geração, nos anos 80, que a preocupação com o impacto no meio ambiente foi tema de pauta.

Escolha do fluido

“Não há um fluido refrigerante que seja universal, há um leque de opções que, dependendo da aplicação, eu vou ter um ou outro refrigerante que pode ser mais adequado”, disse Pimenta. Antes de escolher um fluido refrigerante para uma determinada aplicação, seja ela doméstica ou comercial, deve-se observar três principais fatores: segurança do material envolvido, em segundo lugar o impacto ambiental que o gás irá causar ao meio ambiente, e por fim o seu desempenho energético. “Se o fluido refrigerante tiver um baixo desempenho energético, ele consome mais energia. Se ele consome mais energia, ele causa mais emissões indiretas”, destacou Pimenta.

Liberar o gás diretamente ao ar livre, além de ser proibido, traz danos irreversíveis à natureza. Por isso a importância da reciclagem, lembrando é essencial contratar técnicos autorizados para a coleta.

RRR (Recolhimento, reciclagem e renovação de fluidos)

A junção destes três R’s é uma prática promissora e que tem muito para crescer no Brasil. Existem dois tipos de recolhimento: passivo, quando ocorrem em pequenas quantidades em casos domésticos, e ativo, quando envolve grandes cargas com fluidos refrigerantes. O recolhimento consiste na retirada do fluido do sistema e no seu armazenamento. “A ideia, basicamente, é não liberar o fluido diretamente na atmosfera, lembrando que o fluido recolhido pode ser reaproveitado, diminuindo assim a demanda por fluidos novos”, explicou Pimenta.

Após esta primeira etapa é feita a reciclagem dos gases recolhidos, fase em que são retiradas todas as impurezas, tornando viável o uso dos refrigerantes por infinitas vezes. “Mais do que recolher o gás, já há a preocupação em recolher para reutilizar”, destacou o palestrante. Já o último dos R´s desse processo consiste na regeneração. Similar à reciclagem, porém com equipamentos de maior capacidade e filtragem mais aprimorada. “O fluido regenerado pode ser colocado no mercado em condições de competitividade com um fluido novo”, disse.

Neste post nós já falamos sobre os processos da reciclagem de fluidos.

O professor da UnB ressaltou a importância da contenção de vazamentos em sistemas de refrigeração e ar condicionado, chamando a atenção para a responsabilidade dos técnicos. “Recursos para evitar vazamentos existem, não é por falta de ferramenta. As ferramentas estão aí, desde um detector eletrônico, detector por ultra-som, detecção por chama ou mesmo o método da bolha”. Por fim, João Pimenta ratificou que a prática de reciclagem traz diversos benefícios, tanto em questões financeiras quanto ambientais.

João Pimenta

Luiz Afonso Dias (presidente da Asbrav) e João Pimenta

Público acompanhou a palestra atentamente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

2 Ideias sobre "Debate sobre fluidos refrigerantes marcou a Semana do Meio Ambiente em Porto Alegre"

  • li a matéria sobre os tipos de gás e me deixou com muitas duvidas sobre os tipos de gás r 22 e o r410 o meu ar usa r22 que no futuro próximo vai deixar de ser fabricado e passa ser usado 410 será que podemos usar o 410 sem danificar o equipamento