inverter-variação-rede-elétrica

Com a chegada e a popularização dos aparelhos de tecnologia Inverter, uma dúvida tem sido comum entre clientes e instaladores de ar-condicionado: Inverter é mais vulnerável a queimar ou apresentar algum defeito em variações de tensão de energia do que os Splits convencionais? Ele causa mais problemas por causa dessa oscilação? Lançamos a questão nas nossas redes sociais e veja só que dizem os profissionais da área.

O Inverter tem muito mais peças que os Splits comuns

Fazendo um apanhado dos comentários, percebemos que muitas pessoas ainda não recebem muito bem a tecnologia Inverter. Consideram os aparelhos mais complexos e mais caros de serem instalados, dizem que esses equipamentos exigem uma manutenção mais cuidadosa e que os riscos de que alguns componentes venham a queimar é realmente maior.

Acontece que o Inverter, assim como acontece com qualquer outra tecnologia que é novidade, sofre com alguma resistência natural do mercado. Porém, o que alguns apontam é verdade: o Inverter possui um risco maior de queimar sob variações de tensão de energia. Mas isso só ocorre porque esses equipamentos possuem bem mais placas e partes eletrônicas do que os Split comuns, também chamados de On/Off. O próprio funcionamento do Inverter exige essa maior complexidade, já que ele possui um sistema mais inteligente e voltado ao uso eficiente e econômico de energia.

Leia também: A rede elétrica está preparada para receber a instalação do ar-condicionado?

Riscos podem ser evitados com atenção e aterramento

Vários comentários saem em defesa dos aparelhos Inverter dizendo que, embora os riscos realmente sejam maiores, isso pode ser contornado com uma boa instalação elétrica e um aterramento bem feito. Normalmente o aterramento é um serviço cobrado à parte pelos técnicos e instaladores, e por isso alguns diriam que é também apenas uma desculpa para ganharem mais dinheiro.

Entretanto, não há como negar que a tecnologia Inverter vem ganhando cada vez mais espaço no mercado de condicionadores de ar domésticos. Por exemplo, a LG, uma das maiores fabricantes do setor, hoje só trabalha com a linha Inverter. Não parece que uma empresa desse tamanho e nome iria arriscar tudo numa tecnologia falha e sem futuro, não é? Aliás, Saulo Cici, que estuda engenharia mecânica e é fundador da TR3Z Projetos e Tecnologia, além de contribuir como colunista aqui do WebAr, afirma com toda a certeza que o Inverter e tecnologias similares são o futuro da climatização.

Compensa todo esse trabalho?

Alguns acham que os benefícios da tecnologia ainda não compensam, pois deixa o cliente a mercê de uma máquina que, segundo eles, pode estragar a qualquer momento e custar caro para ser consertada – e que, portanto, não compensa na economia de energia. Além disso, apontam que essa vulnerabilidade elétrica tira a credibilidade do técnico que fez a instalação, pois o cliente nem sempre iria entender que é o aparelho que é mais “sensível”.

Saulo afirma que os Inverter são aparelhos muito mais evoluídos, e que todo o planeta caminha na direção de equipamentos com menor consumo energético e maior eficiência. Ele e outros acham que a classe de profissionais de HVAC terá de aprender a lidar com a complexidade do Inverter. Além disso, muitos deles pensam que esses riscos de queimar só são maiores agora. No futuro eles esperam que a tecnologia vá se aprimorando à medida que se dissemina e adquire mais proteções internas que não exponham tanto os componentes desses Splits.

E você? Qual sua opinião sobre o Inverter?

Redação do Portal WebArCondicionado